terça-feira, 20 de maio de 2008

Quando sentimos um vazio buscamos comida, porque?



Na verdade esse é um comportamento apreendido, que se iniciam quando ainda somos bebê, nos nossos 18 primeiros meses de vida. O mamar marca o início da fase oral. Nossas necessidades, percepções e modos de expressão estão concentrados na boca, lábios e língua. É pela boca que recebemos o primeiro alimento para vivermos, mas que a princípio suprime o mal estar da fome que nos devora. É pela boca que trocamos os primeiros contatos com a mãe, é o primeiro gesto de carinho, troca de afetos e investimento de atenção. A boca passa a constituir uma zona de satisfação, de prazer. Desde a mais tenra infância, explica Stenzel (2000), a comida funciona como via de comunicação com o mundo, como intermediária das relações afetivas. A relação mãe/bebê, já nos primeiros minutos de vida, se estabelece através da comida. As primeiras experiências de satisfação e de frustração, de prazer e desagrado, acontecem na relação alimentar.
Segundo Debray (1988), as crianças que foram exageradamente gratificadas com comida, futuramente poderão usá-la como um mecanismo de defesa eficaz, para sentimentos de frustração, de vazio interior e depressão. Pais inexperientes e ineficientes podem alimentar os bebês em ocasiões de grande ansiedade e não de fome, ou consolá-los em ocasiões de cansaço e não de ansiedade. As crianças que recebem tal tipo de educação podem crescer confusas e sem conhecer suas próprias necessidades internas, não sabendo por si mesmas quando estão com fome ou satisfeita, e incapaz de identificar suas próprias emoções. Sendo esta uma das características dos pacientes com comer compulsivo. Estes indivíduos tenderiam a transformar estímulos desagradáveis em alimento, afirma Lacocque apud Wajner (2000), que representaria o conforto e o estímulo agradável ausente. Esta associação persiste até a idade adulta, quando surgem dificuldades para o indivíduo encontrar seu estado de saciedade e o alimento acaba substituindo afetos.



Leia também "Mudando sua história Obesidade Nunca Mais" no site http://www.abcdaobesidade.com.br

E você também vai gostar de: http://migre.me/6d97O

Um comentário:

rood disse...

Parabens!!!

Adorei a iniciativa.

Bem explicadinho.

Gostei tanto que vou reco0mendar.para as guerreiras

Tem muita informaçao por aki impórtante.

Deus abençoe

vou aparecee smepre...

hj naum dei pra ler td mas vou voltar smepre